Foto/Ana Lunardi

O fotógrafo Fernando Gomes é um especialista em retratar a vida. Nas ruas de Santo Ângelo, na Capital do Estado ou pelas cidades da região, ele sempre encontra um novo enredo. Nas praças e ruas, nos bairros e no meio rural, Fernando transforma em arte aquilo que todo mundo vê e vive.

Não bastam apenas o foco e o clique da câmera. Mostrar e contar um pouco da história dessa gente já faz parte de sua história.   Há 35 anos, esse Guaraniense, radicado há 45 anos em Santo Ângelo, se dedica à arte de mostrar a vida como ela é. Através do fotojornalismo ele registra os fatos históricos e o cotidiano dos Missioneiros.

O interesse pela fotografia nasceu ao acaso. “Fui desafiado a fotografar. Os elogios foram me motivando e, desde então, nunca mais parei”, lembra. Desde então, por inúmeras vezes, suas imagens estamparam jornais de renome estadual e nacional. Suas fotografias renderam prêmios e seu talento é compartilhado por milhares nas redes sociais.

Comunicativo, Fernando procura, sempre que possível, saber a história dos personagens. “Teve uma vez que fui cobrir um chamado da área da segurança pública. Fui o primeiro a chegar no local. Na rua estava um corpo estendido e ao lado uma mulher aos prantos. Seu marido havia sido vítima de homicídio. Esses casos que a gente precisa acompanhar são muito tristes, mechem com a gente, mas ao mesmo tempo serve de reflexão sobre os rumos que a vida está tomando, mesmo no interior”, acrescenta.

Ainda na área da segurança pública, Fernando relata o drama vivido ao se deparar com um assalto em um posto combustível. Audacioso, ele não titubeou: “Na hora até pensei que fosse levar um tiro, mas fui logo “disparando flash”. O instinto foi maior. Depois que passou, eu tive noção da loucura que me meti. Poucas fotos consegui salvar, muitas saíram tremidas, não sei porque”, brinca o fotógrafo ao lembrar o episódio.  

FOTO DE GISELE BÜNDCHEN

Ele não tem nem ideia de quantas imagens já fez. Em 35 anos de profissão, entre celebridades e desconhecidos, Fernando já clicou personalidade como Gisele Bündchen, Leonel Brizola, Luís Inácio Lula da Silva, Renata Fan, dentre outros. “Conheci a Gisele quando ela estava iniciando a carreira de modelo. Confesso que não botei muita fé, achei muito magrinha, mas como ela estava iniciando a carreira internacional, chamei para fazer umas poses externas”, conta Fernando.

FLAGRAS INUSITADOS

Nas ruas de Santo Ângelo ele é campeão em flagrar momentos, no mínimo, curiosos. Exemplo disso foi a vez em que clicou uma senhorinha que apreciava um chimarrão. O detalhe é que o chimarrão parecia também estar sendo compartilhado com o seu animalzinho de estimação: Uma caturrita.  “Essa foto rendeu bons resultados. Foi destaque em um concurso de nível estadual. O tema era Retratos do Rio Grande”, acrescenta.

Nessa empreitada, Fernando conheceu os mais diversos tipos de cidadãos. Ele não faz distinção. Pelas ruas, registra os fatos que de tão comuns passam despercebidos. Suas imagens também têm uma pitada de humor. Entre uma de suas grandes “sacadas” ele registrou uma bala de menta caída em frente à catedral de Santo Ângelo e, imediatamente, disparou: “bala perdida no Centro Histórico”. “Foi uma brincadeira, parece que o pessoal gostou”, comenta.  

A FÉ E GARRA DOS MISSIONEIROS

Gomes, diz ter conhecido muita gente guerreira, capaz de superar as adversidades para manter viva a fé e tudo aquilo que acredita. Uma das fotos que exemplificam essa afirmação, segundo Fernando, foi feita na comunidade de Colônia Municipal – interior de Santo Ângelo. “Um vendaval destelhou muitas casas e destruiu a Igreja da comunidade. Quando já estava voltando para a cidade, de dentro do carro, avistei um senhor carregando a cruz da Igreja. Pra mim, essa foto diz muito”, reflete o fotógrafo.

Em outro momento, enquanto aguardava por seu filho no carro, avistou um catador de papel. Era quase dezembro e o senhor, com uma touca, anunciava a chegada do natal. “Quando vi ele puxando o carinho com as caixas de papelão, lembrei do trenó do bom velhinho (risos). O legal é que o senhor ficou famoso na cidade. Alegre com o registro. Isso é outro ponto que anima e faz seguir nessa empreitada”, comenta Fernando ao afirmar que muitas fotos podem até chocar no primeiro momento, mas mostram que a vida pode ser sempre melhor. A fotografia mencionada também foi destaque estadual na Zero Hora.

O ÂNGULO PERFEITO

Pela região, ele já fez maratonas para fotografar pontos históricos e turísticos. Entre um ponto e outro, suas lentes registraram belas paisagens que contemplam natureza e a labuta diária do homem do campo. “Uma boa luz é fundamental para o fotógrafo. Além disso é preciso buscar um ângulo diferente, uma forma de mostrar um ponto distinto daquilo que, por vezes, é comum”, aconselha o fotógrafo.

ORGULHO DE SER DESSA TERRA

Fernando, que se orgulha muito em ter conquistado uma legião de amigos, diz já ter tido oportunidade de ir pra grandes centros, mas recusou. “Eu gosto de caminhar pelas ruas e poder cumprimentar as pessoas, conhecer e ser conhecido. O respeito e confianças dos colegas de imprensa, a parceria que os anos proporcionaram também é algo que eu considero muito. Gosto dessa terra e sou muito feliz em poder divulgar a nossas belezas e cultura para todos os cantos do mundo”, afirma.

Modesto, humilde e muito talentoso, Fernando Gomes segue contribuindo para que a história e os costumes do povo missioneiro virem arte e sejam apreciados e admirados em diversos lugares do mundo. Ao finalizar, ele apenas agradece: “um retratista, um fotógrafo, um “repórter fotográfico, só pode ganhar espaço e ter oportunidade de mostrar seu trabalho ou talento se tiver ao lado colegas que criam e abraçam grandes pautas. Tive a sorte de ter ao meu lado colegas incríveis, que me guiaram e sempre estiveram comigo. A todos eles meu muito obrigado”, conclui Gomes.

COMPARTILHAR